Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 2; 2º Trimestre/1998

(continuação)

<

Pequena cronologia da crise asiática


Janeiro de 1997 - A Hanbo Steel, uma das grandes chaebol coreanas, abre falência sob o peso de uma dívida de cerca de 6 biliões de US$. Trata-se da primeira vez, em dez anos, que uma das grandes empresas coreanas se vê obrigada a fechar.
5 de Fevereiro - A Somprasong é a primeira empresa tailandesa a falhar um pagamento da sua dívida externa
10 de Março - O governo tailandês promete apoio às empresas financeiras com forte exposição a dívidas do sector imobiliário mas depois recua nesta sua intenção. Michel Camdessus, Director do FMI, declara: "Não vejo razões para que esta crise se agrave"
início de Maio - preocupados com a queda do yen, responsáveis japoneses declaram que talvez seja necessário aumentar as taxas de juro. Isto não se concretiza mas foi um dos primeiros sinais de que a crise estava à porta. Em resultado, muitos investidores começaram a vender moedas do Sudeste Asiático
14-15 de Maio - O baht tailandês, o "elo mais fraco" das moedas da região devido ao fraco desempenho da economia, é atacado pelos especuladores. O banco central, com a ajuda da Autoridade Monetária de Singapura, procura resistir ao ataque
23 de Maio - Finance One, a principal empresa financeira da Tailândia, declara falência
27 de Junho - O banco central da Tailândia suspende a actividade de 16 empresas financeiras do país que sofrem de uma grave falta de liquidez
2 de Julho - O Banco da Tailândia anuncia a entrada do baht num regime de taxa flutuante administrada e pede "assistência técnica" ao Fundo Monetário Internacional. Esta data é considerada como a do verdadeiro início da crise
14 de Julho - O FMI oferece apoio de cerca de US$ 1,1 biliões às Filipinas. O Bank Negara, banco central da Malásia, abandona a defesa da cotação do ringgit
17 de Julho - A Autoridade Monetária de Singapura desvaloriza o dólar do país
24 de Julho - grande agitação dos mercados cambiais. O ringgit atinge o seu valor mais baixo dos últimos 38 meses e o primeiro ministro, Mahatir, culpa os especuladores. O dólar de Hong Kong (HKD) mantem a sua cotação mas à custa do gasto de cerca de US$ 1 bilião pela Autoridade Monetária de Hong Kong para defender o "peg" com o dólar americano à taxa corrente e que já dura há mais de uma década
28 de Julho - A Tailândia pede ajuda financeira ao FMI
5 de Agosto - As autoridades tailandesas suspendem a actividade de 48 empresas financeiras
15 de Agosto - Os especuladores voltam a atacar o HKD. As taxas de juro do mercado overnight aumentam 150 pontos base num dia. A bolsa de valores cai significativamente
20 de Agosto - O FMI aprova um pacote financeiro de US$ 17,2 biliões para apoio à Tailândia
23 de Agosto - O primeiro ministro malaio acusa George Soros de estar por detrás dos ataques especulativos às moedas da região
20 de Setembro - No decurso das reuniões do Banco Mundial e do FMI em Hong Kong, Mahatir declara que o comércio de divisas é imoral e que deveria ser banido; estas deveriam ser utilizadas apenas para as operações ligadas ao comércio internacional de bens e serviços
21 de Setembro - George Soros acusa o primeiro ministro Mahatir de ser uma ameaça para o seu próprio país, a Malásia
8 de Outubro - A Indonésia declara que irá pedir o apoio financeiro do FMI
20-23 de Outubro - A bolsa de Hong Kong sofre a maior quebra de sempre, perdendo o índice Hang Seng cerca de 1/4 do seu valor em quatro dias. A desvalorização do dólar de Taiwan na semana anterior lança cada vez mais dúvidas sobre a capacidade de Hong Kong manter o seu câmbio em relação ao dólar americano (cerca de HKD 7,7/US$).
30 de Outubro - Os especuladores viram-se para a América Latina, provocando grandes perdas no Brasil e na Argentina
31 de Outubro - O FMI aprova um pacote financeiro de US$ 23 biliões para a Indonésia
6 de Novembro - Camdessus declara que está convencido de que a Coreia do Sul será poupada à crise que abalou os países do Sudeste Asiático
8 de Novembro - Preocupações sobre a estabilidade do câmbio do won levam os investidores estrangeiros a vender cerca de US$ 70 biliões de títulos na manhã deste dia (sábado)
17 de Novembro - O banco central da Coreia abandona a defesa do won, fazendo este ultrapassar a barreira psicológica dos 1.000 won/US$ . Esta quebra trouxe consigo uma nova descida da maioria das moedas da região
21 de Novembro - A Coreia declara que vai pedir apoio financeiro ao FMI
4 de Dezembro - É assinado o acordo que permite ao FMI emprestar à Coreia do Sul cerca de US$ 57 biliões --- o maior de sempre desta organização financeira internacional
8 de Dezembro - o governo da Malásia aprova um conjunto de medidas de austeridade para o país mas continua a declarar que não precisa do apoio do Fundo.

Fonte: Prof. Nouriel Roubini, da Stern School of Business / New York University
(http://www.stern.nyu.edu/~nroubini/asia/AsiaChronology1.html)

Início do Boletim | Comentário | Breves | Mercado | Topo desta página
China | Macau | Hong Kong | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1998
Última versão: 15 de Abril de 1998