Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 2; 2º Trimestre/1998

Edição do CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento

(continuação)

Hong Kong - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA

Situação política
Todos reconhecem que o processo que terminou com a transferência de poder em Hong Kong eque os primeiros nove meses da Região Administrativa Especial têm decorrido sem grandes sobressaltos e, principal-mente, sem as interferências de Pequim que muitos esperavam. O próprio exército chinês parece ter aprendido bem a lição dada antes de entrar em Hong Kong e tem primado pela sua aparente ausência.
Esta situação tem deixado alguma margem de manobra ao governo da Região e, em particular, ao seu chefe, Tung Chee Hwa. É neste quadro que deve ser entendida a desloca-ção feita a Taiwan pouco depois da sua tomada de posse e a mais recente visita a Cantão para conversações com as autoridades da província limítrofe para melhor articular os proces-sos de desenvolvimento de ambas as regiões.
Mas não se pense que tudo foi fácil. Pelo caminho ficaram fortes rumores de que, Anson Chan, a chefe máxima da função pública da Região e que foi um dos candidatos ao cargo de Chefe do Executivo, estaria prestes a demitir-se devido às suas divergências com o seu chefe directo.
Pelo caminho ficou ainda um nítido mal-estar quando, cedendo às pressões dos grupos mais pró-China Continental, Tung aceitou introduzir mudanças na utilização das línguas chinesa e inglesa nas escolas. Depois de ter ordenado a substituição do inglês pelo chinês como língua de ensino, teve de recuar sob a pressão da opinião pública e de muitos pais que, mesmo chineses, preferiam que o sistema de ensino se mantivesse o mais próximo possível da tradição inglesa. E o uso desta língua como veículo principal de ensino --- e não como (principal) língua estrangeira --- é uma das componentes essenciais daquela tradição.
Outra das suas componentes é o rule of law. Ora este é um dos factores que distinguem Hong Kong do resto do país e, talvez algo inesperadamente para alguns observadores, que a população tem mais consciência disso do que à primeira vista poderia parecer.

Situação económica
A taxa de crescimento do PIB foi, em 1997, de 5,2%. Porém, o primeiro Orçamento do pós-transferência de poder prevê para este ano um crescimento de apenas 3,5%. As actuais previsões de alguns dos grandes bancos que actuam na região são ainda mais pessimistas, apontando para valores da ordem dos 2-2,5%.
Estes valores são mais baixos do que as anteriores previsões --- que variavam entre os 4% e os 5% --- e são o retrato da situação actual em HK: chegada ao fim da construção de muitas das grandes infraestruturas e grande marasmo em vários sec-tores importantes da economia, nomeadamente na electrónica e na habitação (as transacções destas realizadas em Fevereiro passado foram apenas 4600, 40% menos que em Janeiro e o valor mais baixo dos últimos três anos!). A evolução neste último sector deve-se à subida das taxas de juro e consequente descida das transacções de imóveis.
A taxa de desemprego (Dez97-Fev98), por sua vez, situou-se nos 2,9%, ligeiramente acima dos 2,5% do período anterior.

Produção
O índice de produção industrial (1886=100) atingiu o nível 131 no terceiro trimestre de 1997, representando uma subida de apenas 0,5% relativamente ao mesmo período de 1996. Comércio internacional
Em Janeiro de 1998 as exportações de mercadorias efectuadas pela Região foram de 114 biliões de HKD, o que representa uma descida (-4,1%) relativamente ao mês anterior. As importações, cujo montante foi de 113,2 biliões de HKD, tiveram uma quebra ainda maior em relação a Dez/97: - 14,1%. O resultado foi um ligeiro superavite da balança comercial.

Inflação
A taxa de inflação tem conhecido uma aceleração nos últimos tempos, situando-se em Janeiro p.p. nos 5,1%, contra 4,8% no mês anterior (taxas anuais). Moeda e Taxa de juro
A taxa de crescimento da oferta de moeda (M3) foi de 6,1% entre o final de Janeiro de 1997 e Janeiro de 1998. Note-se, no entanto, que a ocorrência do Ano Novo chinês em Janeiro ou Fevereiro torna difícil a comparação com outros períodos do ano.
A taxa de juro de curto prazo é de 6,3% mas as taxas de juro de empréstimos para habitação são de cerca de 11%.

Taxa de câmbio e reservas cambiais
A taxa de câmbio continua indexada ao dólar americano nos cerca de HKD 7,8/US$. As reservas cambiais eram de 80,3 biliões de US$ em fins de Janeiro de 1998, mais 22% que no mesmo mês de 1997 em resultado da inclusão das reservas em divisas do Land Fund.

Início do Boletim | Comentário | Breves | Cronologia da crise | Mercado | Topo desta página
China | Macau | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1997
Última versão: 15 de Abril de 1998