Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 3; 3º Trimestre/1998 (Jul.)

Edição do CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento

(continuação)

Hong Kong - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA


Situação política
Três factos maiores caracterizaram a vida política dos últimos tempos em Hong Kong: as eleições de 24 de Maio, as comemorações do primeiro aniversário da transferência de poder para a China e a visita do Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton. Abordaremos aqui apenas os dois primeiros.
As eleições traduziram-se numa vitória significativa das forças democráticas sob duas perspectivas: primeiro, no número recorde de votantes (53%) apesar das chuvas registadas nesse dia; segundo, no número de votos (60%) e de eleitos (14 em 20 lugares sujeitos a eleição directa, num total de 60 lugares do Conselho Legislativo).
Estes resultados, que devem ter sido vistos como uma "vingançazinha pessoal" por Chris Patten (o último Governador inglês) e pelos eleitos que tinham sido destituídos dos seus lugares em 1de Julho de 1997, são um evidente recado ao governo da Região e à própria China.
Quanto ao primeiro ano de governo pós-colonial, parece evidente para todos que se as coisas não correram melhor isso se deve principalmente a factos externos ao processo e de que são exemplo a crise da Ásia, a gripe das galinhas e o mau tempo.
Mas é evidente que não foram só os factores externos os responsáveis pelas deficiências que se verificaram. Se fosse assim os resultados das eleições e das sondagens seriam bem diferentes do que são (estas últimas denotam uma quebra importante mas ainda não assustadora da popularidade do governo da Região e do seu Chefe Executivo)

Situação económica
As perspectivas quanto à situação económica são cada vez piores: se em 1997 a taxa de crescimento do PIB foi de 5,2%, as estimativas para este ano apontam para um crescimento nulo ou, mesmo, negativo --- e isto apesar de as autoridades económicas, até recentemente, referirem como possível a meta de 3,5%. Refira-se que a taxa de crescimento durante o primeiro trimestre foi de -2%.
Numa tentativa para combater esta crise foram adoptadas um conjunto de medidas que incluíram a paragem da venda de terrenos de modo a provocar uma subida dos preços do sector imobiliário. Esta medida encontra a sua justificação no facto de uma parte significativa da população ser proprietária de habitações e aquela queda de preços estar a afectar profundamente o seu stock de riqueza. Daí à quebra de confiança no novo poder foi um passo...
Destas medidas fazem ainda parte várias isenções fiscais e o gasto de cerca de HKD 44 biliões suplementares; uma parte significativa desta verba será gasta em infraestruturas.
O resultado orçamental deste pacote é a criação, pela primeira vez em muitos anos, de um défice fiscal de cerca de 40 biliões HKD.

Produção
A taxa de desemprego tem vindo a aumentar, fixando-se em 4,2% nos três meses que terminaram no final de Maio, o maior valor desde há 13 anos.
Estimativas apontam para uma taxa de desemprego de 5% no final deste ano.

Comércio internacional
Durante o primeiro trimestre deste ano as exportações domésticas caíram, em média, 7,2% ao mês mas as re-exportações conheceram um crescimento médio de 0,3%
Por sua vez, as importações que permaneceram na Região diminuiram muito significativamente: -52,5% em Jan/98, +17,7% em Fev. e -21% em Março (taxas anualizadas). Estes valores retratam bem da crise económica que Hong Kong atravessa. Em resultado desta evolução o saldo comercial externo foi, no primeiro trimestre/98, de -4,2 biliões USD.

Inflação
Em resultado da situação económica acima descrita parcialmente não é de admirar que as pressões para a subida dos preços sejam agora mais baixas. Isto traduz-se numa redução da taxa de inflação até aos 4,4% em Abril p.p., quando em 1997 fora de 5,7%.
A estimativa para este ano é de que se situe nos cerca de 4%.

Moeda
Os últimos valores conhecidos para a taxa de crescimento da oferta de moeda (M3) revelam que esta terá crescido no primeiro trimestre deste ano à média de 5,9%, estimando-se que a taxa para o ano de 1998 seja de 7%, muito abaixo dos 19,3% do ano anterior.

Taxa de juro
A prime rate é de 10%.

Taxa de câmbio
A taxa de câmbio continua nos cerca de HKD 7,75/US$, equivalentes a PTE 24$00/HKD.

Reservas cambiais
As reservas baixaram de 80,3 (Jan/98) para 77,7 biliões USD (Abril/98).

Início do Boletim | Comentário | Breves | Mercado | Topo desta página
China | Macau | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1997
Última versão: 15 de Julho de 1998