Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 4; 4º Trimestre/1998 (Out.); ÚLTIMA EDIÇÃO

Edição do CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento

(continuação)

Hong Kong - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA

Situação política

Nos últimos meses não tem havido alterações significativas do ambiente político desta Região Administrativa Especial da China.



Situação económica

Depois de durante o primeiro trimestre ter caído 2% (taxa de crescimento de -2%), o PIB de Hong Kong voltou a diminuir no segundo trimestre e agora a uma taxa ainda mais alta: -5%!

Este valor diz bem das dificulda-des que a Região atravessa. Ele traduz também a dificuldade da política económica em controlar a situação.

Não é de admirar, portanto, que, face a tais dificuldades, tenham sido adoptados pelas autoridades económicas certos comportamentos mais intervencio-nistas do que a generalidade dos observadores esperaria ver naquela economia que tem sido, durante anos e anos e naquela região, a campeã do liberalismo económico.

Isto provocou algum alarme já que não faltou quem tivesse augurado que esta forma mais activa de actuar na tentativa de controlar o funcionamento dos sistemas económico e (principal-mente) financeiro de Hong Kong constituía o "princípio do fim" da confiança que os investidores sempre tinham depositado no sistema económico de Hong Kong.". O resultado, disse-se, seria o aprofundamento da crise e não a sua reversão.

Não cremos que estas vozes tenham razão mas isso pouco interessa: o que interessa é como reagirão quer os investidores quer os próprios cidadãos de Hong Kong. E aqui, qualquer futurologia é demasiado perigosa mas a verdade é que entre Julho/97 e Julho/98 a quebra das vendas a retalho --- um indicador indirecto da confiança dos consumidores na evolução da economia --- foi de 17% (!) apesar dos salários reais terem aumentado cerca de 2% e a taxa de desemprego ser "apenas" de 5%.

No mesmo sentido registe-se a queda de 64% no valor das transacções imobiliárias, um dos sectores mais importantes da economia da Região.

Produção

Reflectindo as dificuldades que a economia atravessa, a produção industrial diminuiu 4% no primeiro trimestre deste ano e a taxa de desemprego tem vindo a subir ligeiramente (de 4,2% nos três meses terminados em Maio para 5% nos que terminaram em Agosto).

As previsões do JPMorgan são de que o PIB desça este ano 5% relativamente ao ano passado e que em 1999 a queda continue (agora mais amortecida) à taxa de -1,5%



Comércio internacional

Em Agosto deste ano a balança comercial apresentava um défice de 14,2 biliões de USD relativamente aos doze meses anteriores.

Registe-se que as exportações desceram 12,8% entre Jul/97 e Jul/98 e que as importações tiveram uma descida de 18,5%.

Em resultado da crise que a Região atravessa, o saldo da balança comercial que terá sido de -21 biliões de USD em 1997, diminuirá para -11,1 este ano e

-9,7 no próximo.



Inflação

Embora a estimativa para a inflação neste ano seja de cerca de 4%, a verdade é que, influenciados pela crise económica, os preços têm vindo a aumentar mais lentamente: em Agosto deste ano eles estavam apenas 2,7% mais altos que no mesmo mês do ano passado. O número correspondente para Julho foi de 3,2%.

Estimativas apontam para uma subida de 2,6% este ano e para uma descida (!) de -4,6% em 1999.



Moeda

A taxa de crescimento de M3 tem vindo a diminuir, sendo agora (fim de Julho) de 2,5% relativamente a igual período do ano anterior.



Taxa de juro

A taxa de juro (prime rate) é de 10%; a taxa do mercado interbancário (1 mês) é de 6,875%.



Taxa de câmbio

A taxa de câmbio continua nos HKD 7,75/US$, continuando as autoridades da Região a fazer tudo para segurar este valor. Porém, o NOMURA acredita que se irá dar uma desvalori-zação (cerca de 7-8%)do HKD até ao final de 1999. Já o HSBC-Hong Kong and Shanghai Bank Corporation (um dos bancos emissores da RAEHK) aposta na manutenção da actual taxa de câmbio. Devido à recente queda do USD, a taxa cruzada é agora de cerca de PTE 21$42/HKD.



Reservas cambiais

As reservas eram, em Agosto passado, de 92,1 biliões de USD.

Início do Boletim | Comentário | Breves | Mercado | Lições da crise | Topo desta página
China | Macau | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1997
Última versão: 15 de Outubro de 1998