Bolsas de Doutoramento 2018 Universidade de Lisboa

Entre 1 e 30 de setembro decorre o concurso para atribuição de Bolsas de Doutoramento 2018 da Universidade de Lisboa. São elegíveis candidatos/as que pretendam desenvolver trabalhos de investigação conducentes à obtenção do grau académico de doutor pela Universidade de Lisboa e que se tenham candidatado pela primeira vez a um programa de doutoramento da Universidade de Lisboa, entre 10 de janeiro e 30 de setembro de 2018. Estão previstas três bolsas para os alunos de Programas de Doutoramento do ISEG.

As candidaturas devem ser submetidas online, através de um link brevemente disponível aqui

 

Iolanda Évora apresenta palestra sobre o tema da Afrodescendência na Universidade Federal do Paraná, Brasil

No âmbito do Ciclo de palestras "Africanidade e Educação", a nossa investigadora Iolanda Évora apresenta a convite da Universidade Federal do Paraná (UFPR), pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB), a palestra "Ambiguidades, dilemas e tensões da categoria afrodescendente em Portugal: questões para o projecto AfroPort", um projecto apoiado pela FCT e acolhido pelo CEsA.

 

O CEsA aprova este ano cinco projectos que promovem os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável

O CEsA – Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina (ISEG, ULisboa) aprovou desde maio até início de julho deste ano cinco projectos, um na qualidade de entidade parceira. O professor Luís Mah (CEsA/ISEG, ULisboa) é o investigador responsável por dois desses projectos: “Business4SDGs: O Sector Privado e a Inovação para o Desenvolvimento Sustentável” e “Aid2Growth. Da redução da Pobreza ao Crescimento Económico”, financiados pela FCT e Camões - Instituto da Cooperação e da Língua e Fundação Calouste Gulbenkian, respectivamente. Pretendem estes projectos revigorar a investigação sobre as parcerias privadas para o desenvolvimento. A professora Iolanda Évora (CEsA/ISEG, ULisboa) também aprovou um projecto no âmbito do concurso FCT, que se debruça sobre a caracterização da população portuguesa de origem africana cuja auto-identificação como afrodescendente orienta a sua participação no cenário social português. Constitui este um projecto de bastante relevância académica/científica na área dos Estudos de Desenvolvimento em Portugal, tendo em conta a celebração da Década dos Afrodescendentes (2015-2024) em curso, proclamada pela ONU. O professor Carlos Sangreman (CEsA) aprovou um projecto em parceria com a Comissão Europeia (Comissão Inovação e Investigação), sobre a percepção do risco e resiliência na Guiné-Bissau. E, na qualidade de entidade parceira, o CEsA aprovou o “Africa Habitat”, um projecto proposto pela Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, que incide sobre a sustentabilidade do habitat urbano de duas cidades africanas, Luanda e Maputo. Da equipa consta a nossa investigadora e professora do ISCSP (ULisboa) Sónia Frias. Este conjunto de projectos pretende dar contributo à investigação conduzida em Portugal no âmbito dos Objectivos para o Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 2030.

_ler+

 

Em análise a coerência de políticas dos países membros da OCDE na implementação da Agenda 2030

Está disponível o relatório da OCDE que analisa a coerência de políticas dos países membros na implementação dos objectivos do desenvolvimento sustentável. No caso de Portugal, a OCDE revela a priorização de políticas com vista ao processo de implementação da Agenda 2030. Tendo presentes os 17 objectivos e as 169 metas é compreensível que os países definam as suas prioridades estratégicas. Portugal estabelece como eixos prioritários de intervenção 5 áreas temáticas, o chamado P5: Pessoas, Prosperidade, Planeta, Paz e Parcerias. O foco do P1 é terminar com a pobreza e a fome, tal como a promoção da dignidade e igualdade, e um ambiente saudável; o P2 é promover a prosperidade económica, social e tecnológica; o P3 é combater a degradação ambiental, promovendo uma gestão sustentável dos recursos; o P4 é promover a inclusão nas sociedades, de forma pacífica e livre de violência; e, o P5 é criar parcerias globais com vista à implementação da Agenda 2030, dirigidas às necessidades dos mais vulneráveis e fomentando a participação de todos.

_ler o relatório nacional

Livro em destaque: "Uncommon Alliances. Cultural Narratives of Migration in the New Europe", de Nataša Kovačević (2018, Edinburgh University Press)

Publicado pela Edinburgh University Press, o livro "Uncommon Alliances" debruça-se sobre um tema corrente e controverso, o sentimento emergente que, desde os anos 1990 na Europa, está na base das atitudes de anti-migração, que é, por sua vez, acompanhado pelo aumento do fluxo de migrantes das antigas colónias não europeias e da Europa Oriental pós-comunista. Através da análise de textos culturais, incluindo trabalhos de Jamal Mahjoub, Mike Phillips, Laila Lalami, Mahi Binebine, Dubravka Ugresic e outros, "Uncommon Alliances" mapeia as práticas neo-coloniais da UE em relação à história europeia. Combina o legado da teoria pós-colonial com o conhecimento do multiculturalismo da UE, a fim de compreender a situação actual das periferias e migrantes não europeus e semi-europeus da Europa. A autora, Nataša Kovačević, é professora do departamento de língua inglesa e literatura da Eastern Michigan University.

_ler+

 

1º Relatório anual da Comissão da União Africana sobre a dinâmica de desenvolvimento em África: "Africa's Development Dynamics 2018: Growth, Jobs and Inequalities" (julho, 2018)

Quais são as principais tendências económicas e sociais em África? Qual o papel de África na globalização? Este novo relatório anual apresenta uma África aberta ao mundo e ao futuro, reutilizando as lições aprendidas nas cinco regiões africanas - Central, Leste, Norte, Sul e Oeste da África - para desenvolver recomendações e compartilhar boas práticas. Identifica políticas inovadoras e oferece recomendações políticas práticas, adaptadas às especificidades das economias africanas. Concluí que há uma tendência favorável nos preços do mercado, uma forte demanda doméstica, um progresso na busca de políticas macroeconómicas e estratégias para diversificar as economias nacionais, que se traduzirá num crescimento de 4% ao ano entre 2018 e 2020. "Africa's Development Dynamics" é o primeiro relatório económico anual da Comissão da União Africana (com sede em Adis Abeba) desde a sua criação em 1963.

_ler+

 

Novo volume da Revista científica "International Affairs", sobre a posição do Japão na arena económica global (disponível gratutitamente até 30 de set. 2018)

Encontra-se disponível o volume 94 da Revista científica "International Affairs". Este número especial (julho, 2018), intitulado "Japan's pivot in Asia", analisa a posição do Japão na arena económica global e seus esforços para diversificar as relações estratégicas actuais, bem como explorar oportunidades para uma maior independência, por meio da análise de tópicos como: opções do Japão caso suas relações com a China e os EUA se deteriorem, cooperação de segurança Japão-Austrália e relações emergentes com a Rússia. Os artigos desta edição concentram-se em quatro áreas principais: equilíbrio militar de poder, diplomacia, economia e instituições de segurança interna. Esta edição especial é editada por Richard J. Samuels e Corey Wallace, e tem acesso gratuito até 30 de setembro de 2018.

_ler+