Existem 300 Termos neste glossario. novo termo
Todos a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z
entradas
artigo
palavras chave: ajuda de emergência internacional, Ajuda humanitária, catástrofes

A AMI – Fundação de Assistência Médica Internacional é uma ONG portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins lucrativos. Desde a sua fundação, a 5 de Dezembro de 1984, a AMI assumiu-se como uma organização humanitária inovadora em Portugal, destinada a intervir rapidamente em situações de crise e emergência e a combater o subdesenvolvimento, a fome, a pobreza, a exclusão social e as sequelas de guerra em qualquer parte do Mundo.

Com o Homem no centro de todas as suas preocupações, a AMI criou doze equipamentos Sociais em Portugal e já actuou em dezenas de países de todo o Mundo, para onde enviou toneladas de ajuda (medicamentos e equipamento médico, alimentos, roupas, viaturas, geradores, etc.) e centenas de voluntários.

A sua sede localiza-se em Lisboa, com delegações noutros pontos do país: Porto, Coimbra, Região Autónoma da Madeira e Região Autónoma dos Açores. Tem ainda um conjunto de núcleos, compostos e dinamizados por voluntários, espalhados pelo país.

Depois de ter cumprido o seu primeiro objectivo – prestar assistência aos países de língua oficial portuguesa – a AMI levou a presença humanitária portuguesa a todo o Mundo. Hoje, e desde 1984, intervém em duas vertentes – nacional e internacional e alargou o seu âmbito de acção da saúde física à saúde social e ambiental. Actualmente são quatro os pilares nos quais assenta a actuação da AMI: Assistência Médica, Acção Social, Ambiente e Alertar Consciências.

PROJECTOS

Nos primeiros 10 anos de intervenção, a AMI realizou missões nos países de língua oficial portuguesa como a Guiné-Bissau em 1987 e, um ano mais tarde, em Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe. A primeira missão em cenário de guerra aconteceu em 1990 na Jordânia.

Em 1991, a AMI passou a estar permanentemente presente no outro lado do mundo com a abertura da primeira delegação da AMI na Austrália e, desde 1992, que assegurou a sua presença em todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Foi ainda durante a primeira década de existência que a AMI abriu o primeiro Centro Porta Amiga nas Olaias, em Lisboa, e a sua sede operacional igualmente na capital.

Em 1995, a AMI abriu o outro Centro Porta Amiga, desta vez no Porto, para dar apoio à população mais desfavorecida da cidade e leccionou o primeiro curso de socorrismo da AMI em Portugal. O período de 1995 a 2005 é marcado por inúmeras missões na Ásia – Azerbeijão, Iraque, entro outros –, em África – Ruanda, Senegal, Argélia, Chade/Darfur – e na América Latina – México, Nicarágua, Colômbia –, para além da Europa.

Em 1999, é lançado o prémio AMI – Jornalismo Contra a Indiferença que se destina a destacar um trabalho jornalístico que, pela sua excepcional qualidade, represente um testemunho e uma contribuição válida para alertar a opinião pública; e em 2003, a AMI lança o prémio Saúde – Doenças Infecciosas e Parasitárias.

Em 2003, para além das missões internacionais, foi aberto o Abrigo Nocturno do Porto que acolhe pessoas sem-abrigo. Nesse mesmo ano foi lançada a rede dentária do Cartão Saúde AMI.

Já em 2004, ano de comemoração do 20.º aniversário da fundação, a AMI organizou o primeiro encontro nacional de voluntários da AMI, que juntou centenas de voluntários que ao longo das últimas duas décadas têm integrado as missões nacionais e internacionais da fundação.

Só em 2009, a AMI financiou 46 microprojectos de 38 organizações locais em 26 países de todos os continentes, sendo o maior número de projectos financiado na Ásia e em África. O orçamento da AMI para esta vertente ronda os 500 mil euros por ano.

Cerca de metade dos fundos da AMI provêm de donativos da sociedade civil. As entidades públicas (não especificadas), os proveitos financeiros e ainda, numa ínfima parte, a União Europeia são outros recursos da instituição.

Apesar do site estar bem estruturado, apenas o relatório de actividades de 2008 está disponível para consulta. De acordo com a AMI, um problema técnico tem impossibilitado a inclusão do relatório de actividades de 2009, bem como do relatório de contas, anexado ao relatório de actividades. A situação poderá estar regularizada nos próximos dias.

CONTACTOS

Rua José Patrocínio, 49

1900-731 Lisboa

Telefone: (+351) 218 362 100

Fax: (+351) 218 362 199

E-Mail: fundacao.ami@ami.org.pt

Site: www.ami.org.pt

BIBLIOGRAFIA
  1. AMI (s/d), Letras, Palavras e Linhas: Gestos pela Diferença
  2. AMI e autores (s/d), Viver Timor (Catálogo da Exposição de Fotos)
  3. AMI (2000), Olhares do Mundo
  4. AMI (s/d), Histórias para não adormecer – Volumes I e II
  5. AMI (s/d), 20 anos a passar fronteiras
  6. Nobre, F. (s/d), Gritos contra a Indiferença, Temas e Debates
  7. Nobre, F. (s/d), Viagens contra a Indiferença, Temas e Debates
  8. Nobre, F. (s/d), Imagens contra a Indiferença, Temas e Debates
  9. Nobre, F. (s/d), Humanidade: Despertar para a Cidadania Global Solidária
regulamento