Existem 300 Termos neste glossario. novo termo
Todos a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z
Pagina:  « Anterior 1 2 3
entradas
artigo
palavras chave: comércio justo

A Cores do Globo – Associação para a Promoção do Comércio Justo nasceu em 2001, a partir de uma reunião promovida pela lista electrónica de Comércio Justo do CIDAC – Centro de Informação e Documentação Amílcar Cabral que desde 1998 trabalhava as temáticas do comércio justo em Portugal. O ano de 2001 foi o ano de arranque deste projecto, com a presença em eventos e feiras alternativas. Em 2002, após a aprovação dos estatutos, a Cores do Globo inaugurou o “Quiosque do Mundo” que seria o primeiro posto de venda de produtos comércio justo em Lisboa. Porém, é 2004 que assinala o grande passo da Cores do Globo: a abertura da primeira loja de comércio justo no centro de Lisboa. A sua sede localiza-se em Lisboa, integrada no espaço comercial.

O objectivo principal de acção da Cores do Globo é a disponibilização e comercialização de produtos não agressivos para o ambiente e provenientes de cooperativas de produtores que trabalham segundo os princípios do comércio justo.

Todavia, este objectivo enquadra-se num propósito mais vasto: consciencializar os consumidores para a iniquidade das relações comerciais internacionais, através da produção de materiais de divulgação e a promoção de acções de sensibilização. Acredita-se que a oferta de uma via de consumo responsável e alternativo é indispensável para este esforço de consciencialização e acção sobre as lógicas do comércio global.

Integrando-se nas estruturas e redes nacionais e internacionais de comércio justo, a Cores do Globo trabalha também para a concertação de esforços com outras organizações, tendo em vista a criação de uma importadora nacional de produtos de Comércio Justo. Esta concertação é importante, nomeadamente, para a crescente inserção dos pequenos produtores dos países africanos de língua oficial portuguesa no circuito do Comércio Justo.

A Cores do Globo tem também desenvolvido um trabalho de divulgação, sensibilização e formação, no sentido de aumentar a reflexão em torno das questões da cidadania e consumo responsável ou das desigualdades económicas e sociais. Por outro lado, a Cores do Globo procura organizar e participar em campanhas de sensibilização para causas particulares. Um exemplo foi o envolvimento activo, no âmbito da Coordenação Portuguesa do Comércio Justo, na Campanha Jogo Limpo, acerca dos abusos da indústria de equipamentos desportivos.

PROJECTOS

O grande desafio foi manter, ao longo de mais de três anos, o funcionamento da loja inaugurada no centro de Lisboa que viria a fechar para dar lugar a um novo espaço comercial, fruto de uma parceira com as cooperativas importadoras Equação e Altromercato. Para além da loja, a Cores do Globo tem participado, desde a sua constituição, em diversos eventos que, de alguma forma, se enquadram nos princípios da associação, através da organização de uma banca de informação e venda de produtos, complementada por sessões de sensibilização e debate, sempre que possível.

Tem ainda promovido o conceito de comércio justo em Lisboa – e, no âmbito da CPCJ, em Portugal – através da organização de eventos diversos, incluindo debates, workshops, festas, entre outras iniciativas. A Cores do Globo tem também desenvolvido parcerias com outros movimentos e organizações sem fins lucrativos em Portugal e no Mundo, de modo a fortalecer e alargar o conceito e a prática do comércio justo. Além disso, tem trabalhado para o desenvolvimento de parcerias directas com produtores do Sul, em particular, promovendo a entrada no circuito de comércio justo de cooperativas dos países de língua oficial portuguesa e também de produtores portugueses.

CONTACTOS

Rua da Prata, n.º 70-72

1100-420 Lisboa

Telefone: (+351) 213 433 303

E-mail: info@coresdoglobo.org

Site: www.coresdoglobo.org

NOTA

Informação ainda não confirmada pela instituição

artigo
palavras chave: a determinar

a determinar

artigo
palavras chave: direitos humanos, refugiados

Constituído em 1991, o CPR – Conselho Português para os Refugiados é uma ONGD sem fins lucrativos, independente e pluralista, inspirada numa cultura humanista de tolerância e respeito pela dignidade dos outros povos. O seu objectivo principal é promover uma política de asilo mais humana e liberal, a nível nacional e internacional, através de análises, trabalhos e trocas de informações.

É reconhecido como ONGD pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. É ainda membro da Plataforma Portuguesa de ONGD e da Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial, representando as associações de direitos humanos. Ao nível europeu o CPR é membro do European Council on Refugees and Exiles - ECRE (Conselho Europeu para os Refugiados e Exilados) e da European Legal Network on Asylum - ELENA (Rede Legal Europeia de Asilo) e da Rede Separated Children European Programme - SCEP (Rede Programa Europeu para as Crianças Separadas).

A sede localiza-se em Lisboa. O CPR dispõe ainda de um Centro de Acolhimento para Refugiados, situado na Bobadela (Sacavém), que foi inaugurado em 2005.

No âmbito da Lei de Asilo 15/98, de 26 de Março, a organização desempenha um papel fundamental na área do asilo e dos refugiados. É o parceiro operacional do Alto Comissariado das Nações Unidas (ACNUR) para Portugal, mantendo um Protocolo de Cooperação, desde Julho de 1993, que visa a protecção jurídica e social dos requerentes de asilo e dos refugiados. A partir de Dezembro de 1998, data do encerramento do ACNUR em Portugal, o CPR passou a representar esta organização no nosso país.

O CPR celebrou igualmente protocolos com o governo português (Ministério da Administração Interna e Ministério da Solidariedade Social e do Trabalho) e desenvolve projectos nas áreas do acolhimento de requerentes de asilo e integração de refugiados. O CPR dá ainda formação em "Direito de Asilo" e lecciona a disciplina "Direito de Asilo e Refugiados" na Licenciatura de Direito da Universidade Católica do Porto.

PROJECTOS

Um das principais áreas de intervenção do CPR é o atendimento jurídico que permite o acompanhamento do processo de acolhimento e integração dos refugiados em Portugal. O grupo jurídico do CPR assiste e apoia, gratuitamente, todos os requerentes de asilo, refugiados, deslocados e pessoas que necessitam de protecção humanitária, no que diz respeito a todos os aspectos legais e jurídicos derivados da sua chegada a Portugal. Além do acompanhamento, o CPR tem também um serviço de alojamento inicial e apoio social, desenvolvendo programas com o objectivo de proporcionar aos requerentes de asilo e refugiados as ferramentas necessárias para alcançarem a plena integração, nas mesmas condições de igualdade e respeito que os cidadãos portugueses, na vida cívica, laboral e cultural da nossa sociedade. Tem ainda um programa de formação em Português Língua Estrangeira (PLE), vocacionado para capacitar os refugiados e requerentes de asilo de maiores competências que lhes permitam uma maior e mais fácil integração na sociedade de acolhimento e o serviço de emprego e formação profissional que auxilia no processo de procura de emprego.

Além destas áreas, o CPR aposta ainda na sensibilização, formação e informação pública com o objectivo de sensibilizar a opinião pública para a problemática dos refugiados, contrariando a discriminação e promovendo a igualdade e na disponibilização de informação e documentação, relacionadas com a situação dos refugiados em Portugal e no mundo, a estudantes, investigadores, técnicos, jornalistas, entre outros.

O CPR iniciou recentemente o projecto Começar de Novo – Apoio aos Projectos de Vida dos Refugiados em Portugal no qual irá enquadrar refugiados à procura do primeiro emprego em Portugal ou desempregados que estejam a enfrentar obstáculos à sua integração no mercado de trabalho, quer seja pela desadequação das respostas existentes, quer seja pela falta de apoio individualizado ou pelos conhecimentos insuficientes da língua portuguesa. O projecto irá trabalhar de forma articulada com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (serviços de emprego e centros de formação profissional), com empresas diversas do concelho de Loures e autarquias de diferentes pontos do país. Estas medidas abrangem 15 pessoas (refugiados – reinstalados e outros –, beneficiários de protecção humanitária).

Os projectos actualmente em curso são financiados pelo Fundo Europeu para os Refugiados (FER) e pela Iniciativa Comunitária EQUAL, tendo sido criada, no âmbito deste último financiamento, uma parceria de desenvolvimento com o ISSS – Instituto de Solidariedade e Segurança Social, CFPSA – Centro de Formação Profissional para o Sector Alimentar e a SCML – Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

CONTACTOS

Av. Virgílio Ferreira, lote 764, lojas D-E

1950-339 Lisboa

Telefone: (+351) 218 314 372

Fax: (+351) 218 37 5072

E-mail: geral@cpr.pt

Site: www.cpr.pt

NOTA

Informação ainda não confirmada pela instituição

artigo
palavras chave: a determinar
NOTA:

ONGD sem informação disponível online

CONTACTOS

Rua de Bolama, 177, 2º E

4200-139 Porto

Telefone: (+351) 225 090 928

Fax: (+351) 225 090 943

E-mail: cultivar@net.sapo.pt

artigo
palavras chave: a determinar

a determinar

Pagina:  « Anterior 1 2 3
regulamento