Dicionário da Cooperação para o Desenvolvimento


Objectivos

O presente projecto tem como principal objectivo criar um dicionário, com temas como:

  • Abordagens teóricas;
  • Conceitos;
  • Programas e projectos;
  • Actores do “campo”;
  • Agências internacionais especializadas;
  • Investigação e ensino, etc.

De salientar que, o presente projecto, não pretende ter a estrutura de um dicionário dito “clássico”, nem de um glossário mas sim assumir uma forma de dicionário composto por pequenos artigos científicos relativamente aos domínios da Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento que possa ser utilizado pelos actores públicos e privados na sua acção no “campo”.

Dado a importância a que se assiste cada vez mais no estudo da Cooperação para o Desenvolvimento, mais precisamente ao nível da Cooperação Portuguesa, no ensino secundário e superior, os beneficiários directos serão todos os estudantes desses níveis bem como os docentes respectivos. Teremos ainda como beneficiários directos os actores da Cooperação portuguesa (ONG, Fundações, Estado, Municípios, Associações, Grupos de cidadãos e Igrejas) que ficarão com uma definição de conceitos e de entidades como não existe em Portugal, dando mais consistência à sua actuação. Por outro lado, os beneficiários indirectos serão todos aqueles que independentemente de não deterem o estatuto de “estudante” ou de “actor”, demonstram um particular interesse pela área.


Resultados

Os resultados esperados constituem dois produtos bem definidos que são: 1º a disponibilização on line do Dicionário no site do CESA com links no Memória de África e do Oriente e do IPAD, permitindo o acesso livre e uma permanente actualização. 2º a edição e distribuição de um livro em formato dicionário, com artigos de autores identificados, a bibliografia essencial para cada um, índice analítico geral e uma listagem em português, inglês, castelhano e francês dos termos cuja tradução, sem perca de conteúdo, nas diferentes línguas é difícil (Por exemplo: empowerment).

Parceiros

Serão convidados professores de outras universidades com competências na área da Cooperação para o Desenvolvimento, como a Universidade de Aveiro, Instituto Superior de Agronomia, Universidade Autónoma de Lisboa, ISCTE, etc. a participarem na Comissão Cientifica e outros especialistas na redacção de artigos temáticos da sua especialidade.


Equipa

O projecto organiza-se com uma pequena equipa de dois dinamizadores (Prof. Carlos Sangreman e Prof. João Estevão) com função de contactarem os potenciais autores de artigos, coordenarem as edições em site e em papel e a distribuição. Essa equipa trabalhará com uma Equipa Cientifica de professores com curriculum na Cooperação e Investigação que validará os artigos que os autores escolherem num mecanismo inspirado na avaliação académica inter pares, podendo solicitar reformulações ou recusar textos. Serão pessoas de especialidades diferentes e com experiências em países também diferentes, de preferência catedráticos, de Universidades Públicas e Privadas conceituadas. Há uma parte dos artigos que deve ser descritiva dos actores e da sua actuação na Cooperação recorrendo aos sites institucionais e com consulta às organizações respectivas. Essa parte será elaborada por um mestrando (Ana Filipa Oliveira), sendo o formato tipo analisado também pela Equipa Cientifica. A gestão financeira será feita pelo CESA que tem experiência mais que suficiente para gerir verbas desta dimensão.


Outras intervenções

A obra publicada em 2005 por Manuela Afonso e Ana Paula Fernandes “ABCD Introdução à Cooperação para o Desenvolvimento” é ainda em Portugal a única que pode ser considerada do mesmo tipo, embora como já se disse não tenha os mesmos objectivos de informação sobre temas, debates, investigação e actores. Existe ainda on line o glossário do IPAD – Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento, que contém de forma sucinta as mais diversas definições no âmbito da política de Cooperação Portuguesa inspiradas na OCDE.Internacionalmente a melhor obra que conhecemos é o dicionário em livro e disponibilizado via on-line pelo Centro de Investigação Basco, o HEOGA (http://dicc.hegoa.efaber.net/) , com a coordenação de Karlos Pérez de Armiño, dirigido à Cooperação e Acção para o Desenvolvimento em geral. O CESA e a Fundação Portugal África têm desenvolvido aquele que é hoje o maior site de informação do mundo sobre obras portuguesas respeitantes ao seu período histórico da expansão por África e pelo Oriente: http://memoria-africa.ua.pt conseguindo uma experiência que pode ser utilizada neste projecto.





English version available here

 

O CESA apresentou um pedido de financiamento ao IPAD para realizar este projecto mas foi recusado com a justificação de que a instituição quer desenvolver o seu próprio Glossário cuja versão actual está online. Como o objectivo deste projecto não tem nada a ver com o conceito de glossário, o CESA resolveu ir avançando com o mesmo a partir de uma reprogramação mais lenta, subordinada aos fundos que for conseguindo para o trabalho necessário. Para já estão feitas as alterações no site necessárias para acolher o dicionário e feita a programação necessária. Está planeado trabalho em articulação com o Programa de Doutoramento e com o Mestrado para que possam ser feitos artigos com qualidade científica pelos mestrandos e doutorandos com revisão por professores. Estão também em curso a execução de fichas de informação sobre actores da cooperação portuguesa que, quando prontas em primeira versão, são enviadas para as instituições com pedido de revisão.