Arquitectos de um Espaço Transnacional Lusófono: a Diáspora Guineense em Portugal


Objectivos

A Guiné-Bissau é um caso particularmente relevante não só devido ao perfil da sua diáspora, mas também pelos compromissos assumidos por Portugal no quadro das suas políticas de cooperação. Neste quadro, os migrantes guineenses surgem como os arquitectos privilegiados de uma rede estruturada de relações sustentadas e diversificadas e que abrangem os países envolvidos num espaço transnacional com alicerces e sentido comuns.
O presente projecto propõe-se identificar e caracterizar as dinâmicas transnacionais protagonizadas pela diáspora guineense, na medida em que estas se encontram já inscritas – e são em si mesmo reveladoras – de tendências ou potenciais pré-existentes.


Resultados

A informação obtida será orientada a favor da definição de políticas e instrumentos concretos que promovam o potencial das dinâmicas transnacionais dos migrantes para o desenvolvimento do seu país de origem e, simultaneamente, potenciar as relações de Portugal com a Guiné-Bissau.


Parcerias
  • Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina – CEsA-ISEG/ULisboa (Instituição de acolhimento)
  • Fundação Portugal-África (FPA)

Financiamento

Fundação Portugal-África (FPA)


Equipa

Maria João Carreiro (coordenadora)



 

 



Arquitectos de um Espaço Transnacional Lusófono

 

Maria João Carreiro, sob coordenação de Carlos Sangreman, Edição CEsA, 2011

 

O livro “Arquitectos de um espaço transnacional lusófono – a diáspora guineense em Portugal” resulta de um projecto homónimo de investigação levado a cabo pela investigadora Mestre Maria João Carreiro, sob coordenação do Prof. Doutor Carlos Sangreman.
Financiada pela Fundação Portugal África, a obra apresenta a análise dos dados recolhidos junto da comunidade guineense em Portugal bem como na Guiné-Bissau, permitindo caracterizar o espaço comum que une os dois países a nível político, económico, social e cultural.

 

Para consultar o livro na íntegra, clique aqui.