Memória de Oriente


Objectivos

O projecto Memória do Oriente resulta da evolução e dos óptimos resultados do projecto Memória de África. A escolha de Goa para o projecto Memória do Oriente prende-se com o facto de nela existir um repositório impar sobre a história colonial portuguesa absolutamente fundamental para a compreensão do passado e para a preservação do nosso património histórico e expressivo. O projecto tem por objectivos:

  • Localizar e coligir referências bibliográficas em instituições e bibliotecas particulares em Goa ou noutros locais da Índia
  • Digitalizar obras raras relacionadas com a presença portuguesa. Colocar todas as referências e digitalizações on-line no site http://memoria-africa.ua.pt, num “espaço” próprio para o Oriente

O servidor está na UA e o acesso é livre a partir de qualquer ponto do mundo e teve em 2008 um número médio de páginas visitadas por mês de 97.528 vindas de mais de cem países, com maior expressão de Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, França e EUA. As instituições locais que queiram, podem ficar com cópia de todos os registos em CD.


Resultados
As actividades a desenvolver serão as mesmas que deram bons resultados noutros países. Ou seja:
  • Uma missão de formação e instalação de software para recolha dos registos bibliográficos, computadores, ups e scanners às instituições onde ficarão centrados os trabalhos, designadamente: Central Library (que possui um acervo estimado de mais de 50 000 títulos monográficos) e a associação Comunicare que ficará responsável pelo registo das colecções particulares incluindo as que estão depositadas na biblioteca da Universidade de Goa.
  • Constituição de duas equipas de recolha de registos: uma estática e sedeada na Central Library e uma equipa móvel com portáteis que se desloca aos locais onde estão depositadas as colecções. Em qualquer dos casos, o coordenador local envia os registos em CD para Portugal para serem validados e introduzidos na base. O trabalho inerente é pago depois dos registos estarem na base.

Até ao presente esta metodologia tem permitido resultados muito bons, assentes numa escolha muito cuidadosa dos coordenadores locais. Espera-se neste primeiro ano a recolha de 20.000 registos e no segundo o objectivo é ter 22.000 registos; as páginas digitalizadas serão 53.300 nos dois anos. Espera-se um aumento exponencial dos visitantes com origem na Índia e de visitantes do resto do mundo com interesses centrados na Índia.


Financiamento
  • Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento – CEsA/ISEG (Instituição de acolhimento)
  • Fundação Portugal África (FPA)
  • Universidade de Aveiro (UA)
  • Central Library em Goa
  • Biblioteca da Universidade de Goa
  • Associação Comunicare

Parcerias
  • Fundação Portugal – África (FPA)
  • Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD)

Equipa
  • Prof. Doutor Carlos Sangreman (CEsA)
  • Doutor Hélder de Oliveira (Fundação Portugal África (FPA))
  • Profa. Doutora Susana Sardo (Universidade de Aveiro)