Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 1; 1º Trimestre/1998

(continuação)

Macau - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA

Situação política

Dois factos principais marcaram a agenda do Território nos últimos tempos, um deles pela positiva e outro mais pela negativa. Quanto a este, trata-se da continuação da luta entre as tríades que se movimentam em torno do jogo e de outros negó-cios paralelos a este (agiotagem, prostituição). E as mais de duas dezenas de vítimas destas lutas, incluindo a primeira vítima mortal portuguesa --- da Polícia! ---, aí estão para confirmar que o período até à transferência de poderes ainda deixará --- esperamos estar enganados --- alguns amargos de boca à Administração portuguesa.

Pela positiva refira-se o acordo a que se chegou em vários domínios no quadro das negociações entre Portugal e a China para a transferência do poder. Um deles era a situação da Fundação Oriente. Esta vai continuar a poder desenvolver a sua actividade em Macau e na China. Simultaneamente cria-se uma nova Fundação, de direito e sede locais, que passará a receber as contribuições do jogo que usualmente eram recebidas pela Fundação Oriente.

Situação económica

Continuam os sinais desencontrados sobre a evolução da economia do Território. De facto, se do lado do comércio externo as perspectivas são animadoras, já do lado do turismo e da construção civil, actividades cruciais na economia de Macau, as perspectivas são cinzentas.

Produção

O facto de as importações de bens de capital (+18%), de energia (+9%) e de matérias primas (+8%) terem também aumentado permite concluir que, quanto à produção industrial, se estará a verificar uma progressiva melhoria da situação.

Este panorama é, no entanto, ensombrado pela contínua diminuição do número de turistas: uma quebra de 13% nos três primeiros trimestres de 1997 em relação a igual período de 1996. Esta diminuição reflecte principalmente a descida significativa (-19,3%) dos turistas provenientes de Hong Kong, os grandes clientes da indústria do jogo.

Resultado da crise do sector hoteleiro, a taxa de ocupação dos hotéis situava-se em Setembro p.p. nos 42,3%. Nos primeiros oito meses de 1997 ela foi de 50,5%, quando em igual período do ano anterior tinha sido de 59,9%.

No sector da construção civil, o panorama continua a não ser animador já que nos primeiros 8 meses do ano passado se construiram 677 mil m2, contra os 1500 no mesmo período de 1996.

Confirmando a ideia de uma ligeira melhoria global da situa-ção económica, a taxa de desemprego do 31 trimestre (Jul-Set/97) situou-se nos 3,1%, uma descida de 0,6 pontos percentuais relativamente ao trimestre anterior. Em 1996 ela foi de 3,8%.

Talvez o lançamento de um novo ciclo de "grandes obras" activamente procurado pelas autoridades locais e que já conta com o apoio (para algumas delas) da China seja a centelha que faltava para o decisivo reanimar da economia.

Comércio internacional

No primeiro semestre de 1997, o saldo negativo da balança comercial reduziu-se significativamente em relação a igual período do ano anterior: -535 contra -746 milhões de MOP. Isto resultou de um aumento das exportações em cerca de 1 bilião de patacas contra um aumento das importações de apenas 0,7 biliões.

Esta tendência continuou nos meses seguintes (até Agosto), com um aumento (entre Jan-Ago/97 de 12% das exportações graças, principalmente, ao aumento das exportações têxteis (+19,9%). A continuar esta tendência Macau poderá ter, para o total do ano de 1997, o seu primeiro superavite comercial desde 1990.

Inflação

A taxa de inflação (Setembro de 1997 sobre Setembro de 1996) foi de 4%.

Moeda e taxas de juro

O valor global da M2 era, em Setembro, de cerca de 77,4 biliões de Patacas, um valor igual ao do mês anterior. A sua composição, porém, alterou-se em favor de aplicações de mais longo prazo.

A taxa de juro, por sua vez, tem acompanhado a evolução do mercado financeiro de Hong Kong, tendo tido um aumento significativo nos últimos tempos: é agora de cerca de 12,25% (Taxa a 3 meses) contra os 7% do início de Outubro p.p..

Taxa de câmbio e reservas cambiais

A cotação em 1/1/98 foi de MOP 8,0058/USD (7.985 há um ano), equivalentes a cerca de PTE 23$04/MOP ((22$73 no trimestre anterior).

As reservas cambiais do Territónio eram, em Setembro passado, equivalentes a cerca de 2,5 biliões USD, as mais altas de sempre, correspondendo a um ano de importações.

Início do Boletim | Comentário | Breves | Perspectivas | Condições de Produção | Conferências
Comércio Externo | Apoios à produção | Mercado | topo desta página
China | Hong Kong | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1998
Última versão: 15 de Janeiro de 1998