Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 1; 1º Trimestre/1998

(continuação)

Macau - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA

Situação política
A luta entre as tríades que desenvolvem a sua actividade em Macau continua a fazer vítimas entre os representantes da autoridade. Agora (fins de Março) foi a vez de um inspector do jogo do Território. Com 45 anos e natural do Território mas de origem europeia, o inspector foi morto em plena luz do dia na Avenida da Praia Grande, a principal avenida do Território, bem perto do Casino Lisboa.
Esta morte e a de um polícia poucos dias depois vêm juntar-se às 29 que ocorreram no ano passado e que foram relacionadas com as actividades ilícitas que se desenvolvem em torno do jogo.
Por outro lado, continuam as reuniões de trabalho do Grupo de Ligação Luso-Chinês encarregue de preparar a transferência do Território para a China. A última reunião terminou a 13 de Março p.p.
Depois de há alguns meses ter sido desbloqueado o contencioso que se estabelecera em torno da Fundação Oriente, os trabalhos parece estarem agora a decorrer mais depressa. A inexorável corrida para o dia 20 de Dezembro de 1999 a tal obriga. Continua, porém, por acordar o papel reservado no futuro de Macau à língua portuguesa.
Last but not least, a Comissão Preparatória chinesa que assegurará a a fase final da transferência de poderes para a China e nomeará o próximo Chefe do Executivo chinês local, tomará posse proximamente. Então se ficará a saber o essencial do "quem é quem" do futuro poder no Território.

Situação económica
A (muito) lenta recuperação da economia parece estar instalada. Sinal disso são as informações disponíveis relativas ao sector da construção civil: o número de habitações vendidas em 1997 superou em 36% o de 1996. Este aumento ficar-se-á a dever aos incentivos à compra de habitação pelas famílias de menores rendimentos.

Produção
Embora as novas licenças de construção tenham sido em menor número, a área autorizada foi cerca de 12% maior.
No mesmo sentido aponta a diminuição da taxa de desemprego, que no último trimestre de 1997 baixou para 2,7%, contra os 3,1% do trimestre anterior.
No entanto, o sector do turismo continua a sofrer uma quebra apreciável, o que constitui factor de abrandamento significativo da recuperação económica. De facto, a taxa de ocupação dos hotéis continua baixa relativamente ao ano anterior, não tendo ultrapassado os cerca de 50% nos últimos meses de 1997, contra 60% em 1996. Os valores globais para os últimos dois anos foram: 64% e 52%, respectivamente.
Eles são consistentes com a quebra de 20%, em 1997, nas entradas de turistas por via marítima --- i.e., de Hong Kong. E o pior é que o novo ciclo de "grandes obras" que se anunciam parece estar ainda longe de mais para produzir efeitos a curto/médio prazo.

Comércio internacional
Depois de a meio do ano ter atingdo um pico mensal de 230 milhões de US$, as exportações desceram até aos 166 milhões de US$ em Novembro passado. As contas disponíveis (Jan-Nov/97) deixam, no entanto, perceber um ligeiro aumento das exportações face a 1996. O resultado foi um ligeiro superavite de 50 milhões US$ naquele período.
Os têxteis e o vestuário continuam a ser os principais produtos de exportação, com cerca de 85% do total. Os Estados Unidos e a União Europeia são, com 78% do total, os principais clientes, enquanto que a Ásia-Pacífico (China, Taiwan, Hong Kong, etc) são os principais fornecedores já que daí chegam cerca de 80% das importações.

Inflação
Os efeitos de uma economia com fraco crescimento económico fizeram-se sentir também na inflação, que é hoje de cerca de 3,5% (média dos últimos doze meses terminados em Dezº p.p.), quando no mesmo período do ano anterior tinha sido de 4,8%.

Moeda e taxas de juro
A oferta de moeda (M2) tem-se mantido bastante estável, com um valor de cerca de 77,4 biliões de patacas em cada um dos últimos meses.
A taxa de juro (anual) dos depósitos a 3 meses é agora de cerca de 7,7%, depois de em Junho, antes da crise financeira e cambial da região, se situar nos cerca de 6,2% e de em Agosto e no "Outono quente" ter atingido os 13%!

Taxa de câmbio e reservas cambiais
A política de defesa do "peg" da Pataca em relação ao HKD e, através deste, ao US$ continua e não há nada que faça prever a sua alteração. A taxa de câmbio PTE/MOP é actualmente de cerca de 23$30.
As reservas cambiais continuam a ser confortáveis: cerca de 2,3 biliões de US$.

Início do Boletim | Comentário | Breves | Cronologia da crise | Mercado | Topo desta página
China | Hong Kong | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Tailândia | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1998
Última versão: 15 de Abril de 1998