Ásia Oriental
Boletim trimestral de informação económica sobre a Ásia Oriental
vol. 2; nº 1; 1º Trimestre/1998

Edição do CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento

(continuação)

Tailândia - FICHA INFORMATIVA DA ECONOMIA

Situação política

Aprovada a nova Constituição do país em fins de Setembro, a fase seguinte da luta política --- uma das grandes responsáveis (senão a principal responsável) pela actual situação económica da Tailândia --- foi conseguir a demissão do mais que desastrado Primeiro Ministro, o General Chavalit.

A sua substituição acabou por ocorrer no início de Novembro, tendo a escolha recaido sobre o antigo Primeiro Ministro e actual leader do Partido Democrata, na oposição, Chuan Leekpai, de 59 anos de idade.

Situação económica

A relativa estabilização da situação política e o apoio financeiro do FMI poderão vir a revelar-se dois elementos essenciais para a (lenta) estabilização da conjuntura económica.

No entanto, esta tenderá a agravar-se no futuro imediato antes de conhecer, provavelmente lá para 1999, uma melhoria.

Entretanto, será de esperar um agravamento das tensões sociais do país. Resta saber se face a estas e às pressões internas para reduzir a dose do remédio, o poder político do país terá condições para impor uma mudança de rumo quanto à gestão macroeconómica que vinha sendo feita, nomeadamente assegurando uma maior rentabilidade dos investimentos e a concomitante redução dos de natureza mais especulativa (sectores financeiro e imobiliário) bem como uma política orçamental mais restritiva (o saldo orçamental para 1998 foi cortado em 6%, esperando-se agora um saldo positivo das contas públicas equivalente a 1% do PIB) e uma política monetária que terá o mesmo sinal (nomeadamente impondo limites ao crédito).

A avaliar pela fraca imagem que este poder tem dado nos últimos anos, não será tarefa fácil gerir tal situação, que implicará, forçosamente, o encerramento de muitas empresas devido a asfixia financeira.

A última estimativa (Dez/97) da OCDE para o crescimento do PIB foi de 1% para 1997 e -1% para 1998 (as estimativas de Junho eram de 6 e 6,3%, respectiva-mente).

Produção

A evolução da situação económica tem levado os observadores a reverem as estimativas anteriores no sentido da sua baixa, atrevendo-se alguns a prever taxas de crescimento pouco acima da linha de água ou, mesmo, negativas (cerca de -1.5%).

Comércio internacional

Como salientado no boletim anterior, a recuperação económica do país necessitará de uma forte recuperação das exportações. Estas induzirão o aumento das importações (equipamentos e, principalmente, inputs vários) mas estas deverão variar a um ritmo mais baixo que aquelas de modo a permitir a recuperação das exportações líquidas.

Ora, as previsões para o ano que acaba de terminar vão no sentido de se ter verificado uma melhoria do défice das transacções correntes pois este desceu de -14,7 biliões USD em 1996 (7.9% do PIB) para cerca de -10,6 biliões (5.5% do PIB) em 1997. Esta evolução resultou, nomeada-mente, da descida das exportações (de 55,8 biliões USD em 1996 para 46.2 em 1997) e das importações (72.4 e 56.2 biliões).

Quanto a 1998, se a queda do baht facilitará a recuperação das exportações, a situação financeira de muitas empresas e as dificuldades em obter crédito e divisas para a aquisição de inputs poderão limitar o crescimento daquelas.

Para este ano o FMI estima um défice de 1.8% do PIB.

Inflação

A desvalorização mais forte do que se esperava repercutir-se-á na taxa de inflação verificada em 1997, que deverá ter sido de 7.5-8%. Para 1998, o seu comportamento deverá depender da evolução do baht e do ritmo a que as empresas repercutirem nos preços o aumento dos seus custos importados e financeiros. Não será, pois, de admirar se a inflação vier a aproximar-se dos 9-10%.

Moeda e taxa de juro

A M2 aumentou em Setembro, relativamente a Agosto, 1.3%, sendo o aumento em relação a Setembro/96 de 17.3%. --- compare-se com a taxa de inflação de 6.2% no mesmo período para se concluir que a política monetária foi demasiado expansionista..

A taxa prime rate é de 15.25% e a tendência é para o seu aumento.

Taxa de câmbio e reservas cambiais

A taxa de câmbio continua a cair, cifrando-se actualmente nos cerca de BHT 48/USD (contra 25.6 há um ano). O câmbio em relação ao PTE é agora de PTE 3$83/THB contra 5$09 anterior-mente. Será que com esta descida a TAP consegue rentabilizar a linha Lisboa-Bangkok-Macau?!...

As reservas cambiais são agora de 27 biliões de USD, quando há um ano eram de quase 40 biliões.

Início do Boletim | Comentário | Breves | Perspectivas | Condições de Produção
Apoios à produção | Comércio Externo | Mercado | Conferências | topo desta página
China | Macau | Hong Kong | Taiwan | Coreia | Malásia | Singapura | Índia


Quaisquer comentários a esta webpage devem ser dirigidos a:
António M. de Almeida Serra ( aserra@iseg.utl.pt)

Copyright © CEsA , 1998
Última versão: 15 de Janeiro de 1998